Puro Mel

Just another WordPress.com site

Um menino que só queria jogar GTA

Quantos tipos de amizade podem existir? E quantos tipo de amizade cabem em uma só?

Tenho uma amizade platônica, fraternal e insubstituível! Como pode uma amizade tão forte ter saído de ódio mútuo tão frio? Não sei explicar como, só sei que aconteceu. Eu me adaptei à ele e ele à mim! E mesmo longe, existe uma conexão brilhante.

Eu era uma menina histérica, como qualquer outra. E ele, um menino que adorava (ainda adora) jogar. Mas o que eu me tornei ao conhecer ele, foi muito mais que eu esperava de mim mesma.

“Tu não és para mim senão uma pessoa inteiramente igual a cem mil outras pessoas. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens necessidade de mim. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás pra mim o único no mundo. E eu serei para ti a única no mundo…” (Pequeno Príncipe)

Eu posso dizer, com toda sinceridade que existe no meu coração (que por sinal é muita) que eu sou uma pessoa inteiramente melhor por causa dele.

Eu te amo, em todos os tipos de amor que existem.

Zeros

No livro “O pequeno príncipe”, ele fala sobre como os adultos gostam de numerar as coisas e eu vejo isso no mundo de hoje. Os adultos realmente adoram colocar números nas coisas, como se fossem nomes: Agente 007, agente 86, C3PO, R2D2. (São exemplos ridículos, mas ta valendo).

Quantas vezes já ouvi “o mundo está cada vez mais conectado” e ainda sim vejo mais gente prestando atenção no celular do que na pessoa do lado, que por acaso também está prestando atenção no celular. Iphone 6 ou 6+, S4, S5. Números não fazem de nós mais desenvolvidos, números fazem de nós uma ordem. Seres humanos ordenados, contados. E eu não falo isso como elogio.

As pessoas passaram a perder o nome, e ganhar números. Nomes perderam o valor, que ironicamente, agora é dado em números e não em cultura. Nos vemos agora como sete bilhões de zeros. E que valor tem o zero? Precisamos parar de enxergar números e nos diferenciar a base deles. Precisamos de nomes.

Bon Apetit

Quando eu tinha mais ou menos nove anos, eu estava sentada perto da cozinha onde faziam o almoço que tanto esperávamos. Consegui adivinhar os ingredientes usados na receita só pelo cheiro na panela. o mesmo ocorreu até alguns anos depois. Perdi meu “super poder”. De qualquer maneira, percebi que a comida nos proporciona um intenso prazer mesmo que por alguns instantes e deixa, literalmente, um gostinho de ‘quero mais’.

Amo cozinhar, mesmo não sabendo muita coisa além do macarrão ou da torta de frango. Eu me sinto tranquila cozinhando, e fico feliz quando apreciam. A comida nos traz paz, alegria, saúde, prazer, amor sincero e bom tempero. Ou seja, a comida é tudo aquilo que o ser humano deveria ser.

Por esse e por tantos outros motivos, as pessoas não tem mais tido fome, tem tido vontade de comer, fazendo com que olhassem apenas para quantidade sem checar a qualidade. Pessoas estão doentes por causa do excesso de algo que só tem a fazer bem. Coma, cozinhe, asse ou frite, mas faça-o com atenção.

Até lá

Mesmo tendo poucos anos de vida e experiência zero neste assunto, eu nunca deixei pedras pelo caminho, deixei pessoas. Desde criança eu sou um tipo de nômade. Entro na vida das pessoas, faço uma diferença insignificante e vou embora. Contudo, depois de ir embora da vida delas e elas perceberem a minha ausência e seguirem em frente, uma parte delas sempre fica comigo, consequentemente, uma parte de mim fica com cada uma delas. No fim do caminho, serão mais histórias e mais dores.

Me perdi no meio da vida de algumas dessas pessoas. Vivo pensando em cada uma delas e em cada história, e me contento sabendo que essas pessoas só sentem a minha falta quando citado meu nome. Não mantive nenhum amigo por mais de dois anos, mantive algum contato ligeiro mas nada que se possa chamar de amizade. Talvez seja melhor assim. Ou não. Não sei dizer.

Uma cantora, uma modelo, um escritor, três pessoas que continuam insistindo em me assombrar às quatro da manhã. Importantes partes da minha vida estão presas com essas pessoas que insistem em minha permanência em suas vidas. O mês de dezembro acaba, as fotos são logo reveladas e os textos, tem pontos finais.

Quem sabe um dia cantemos juntas de novo. Quem sabe um dia faremos sua sessão de fotos. Quem sabe um dia, nos encontremos naquela viajem. Quem sabe um dia eu volte pra casa. Até lá, um até logo.

Bons Costumes

À algumas semanas tenho tido problemas para dormir, sinto um sono mais pesado do que minhas pálpebras conseguem carregar, esse peso me tortura por não conseguir dormir. Me disseram para escutar música. Tentei. Iniciei essa madrugada com minhas músicas rotineiras. São 3:15 AM e eu ainda estou aqui mais acordada que nunca. Tentei então música clássica das quais me orgulho de escutar. São 3:16 AM e eu continuo aqui. Decidi escrever.

Tenho sentido falta de certa sofisticação. Passo minhas manhãs na escola e minhas tardes na cama vendo filmes (infelizmente, nenhum deles é do Woody Allen para me divertir verdadeiramente). Pra alguns isso é um sonho. Entretanto, se você passa a se sentir preso no seu próprio sonho, ele passa a ser um pesadelo. O quarto se torna sua cela, a cama fica desconfortável e o travesseiro vira um fardo.

Voltaire dizia que o trabalho afasta de nós três grandes males: o aborrecimento, o vício e a necessidade. Três coisas que me acolhem todos os dias. O aborrecimento que a solidão traz, o vício que me leva pra cama e a necessidade de ter um futuro diferente do que prevejo.

Sinto falta das festas que costumava ir, dos “palácios” que meu pai costumava nos levar e das pessoas que costumava conhecer. Me acostumei com os tais bons costumes.

O quanto um hom…

O quanto um homem vale para uma mulher? Por que o amor faz as pessoas enlouquecerem?

Muitas mulheres/meninas são capazes de trocar os amigos consoladores, só pra ficar chorando sozinha por um rapaz que não da a menor ideia para elas. Por que mulher sofre tanto com a carência; Não entendo muito de amor, acho até que ninguém entende. Mas existem pessoas que precisam do amor para sustenta-las.

Antigamente os rapazes se casavam com a primeira moça bonita que passava. Simplesmente para satifazer sua necessidade de prazer. Hoje em dia não mudou muita coisa. Muitos (não todos) são egoístas: só pensam no que querem e não ligam pro que as mulheres sentem.

Mas a culpa não é só dos homens. Desde sempre as meninas esperam pelo principe encantado. E acabam encontrando o primeiro babaca que passa na rua. E depois ficam sofrendo por eles.

Será que nenhuma delas se preocupa em achar o rapaz que vai faze-la feliz pro resto da vida? Parece que não.

Dias com meu pai

Passando pela vegetação mineria durante a viajem, eu percebi que o que eu quero não é ficar livre de você, mas sim, ir com você par todas as minhas viajens.

Gosto quando você me acorda na manhã fria, gosto quando tenta me animar mesmo sabendo que vou para a aula em menos de 20 minutos. Gosto quando faz piadas com as minhas caras emburradas. Gosto quando estou emburrada tento segurar o riso causado pelas suas gracinhas.

Como todo pai você é muito ciumento, até demais pro meu gosto, mas sei que se preocupa de verdade. Sei que quando diz para eu agir de maneira normal você quer, na verdade, que eu volte a ser aquele menina doce e educada que eu era quando criança.

Posso me irritar com você sempre, mas assim como todos que te conhecem, já me acostumei com as suas pirraças.

Eu prometo que vou sempre com você e a Harley em suas viajens de apenas um dia.

Eu prometo que desde tarde até sempre eu vou ser a sua, apenas, sua filinha.